Câncer de mama

07 Outubro 2017 13:40:00

Rogério Tolardo é Farmacêutico / Consultor de Negócios, Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Univali, com MBA em Gestão Empresarial pela FGV

Neste mês de outubro, inicia-se em todo o Brasil o movimento popular Outubro Rosa, movimento iniciado nos Estados Unidos na década de 1990, a fim de estimular a participação da população no controle precoce do câncer de mama. A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer e promover a conscientização da importância na detecção precoce da doença.

O câncer na mama é tido como o câncer mais comum entre as mulheres no mundo. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) é de cada 100 mil habitantes, 57.960 sejam de novos casos só no Brasil.

A idade é um dos fatores importantes de risco para o surgimento da doença, cerca de quatro em cada cinco novos casos ocorrem após os 50 anos. Os fatores que podem aumentar o risco do surgimento da doença são fatores ambientais, comportamentais, hormonais e fatores genéticos, por isso, é muito importante da mulher conhecer suas mamas e ficar atenta a quaisquer alterações.

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da mama e existem vários tipos, alguns destes têm desenvolvimento rápido enquanto que outros são tidos como mais lentos. Quando o câncer for detectado nas primeiras fases há maiores chances de tratamento e cura, por isso, a importância da detecção precoce. Estima-se que cerca de 80% dos nódulos encontrados nas mamas tendem a ser benignos, portanto, atentar aos sinais é tão importante.

Todas as mulheres, independentemente da idade, devem conhecer o seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas, a grande maioria dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres através do autoexame da mama.

 Procure fazer o autoexame das mamas seguindo os seguintes passos:

 Em frente ao espelho e sem roupas observe as mamas com os braços caídos, depois, levante os braços e observe se existe alguma alteração na superfície da mama.

 Para a palpação em pé, prefira o autoexame durante o banho com o corpo molhado e as mãos ensaboadas, levante o braço esquerdo, palpe cuidadosamente a mama esquerda com a mão direita usando os movimentos, repita estes passos para a mama do lado direito. A palpação deve ser feita com os dedos da mão juntos e esticados em movimentos circulares, em toda a extensão da mama e de cima para baixo. Depois da palpação da mama, pressione os mamilos suavemente e observe se existe saída de qualquer líquido.


Ainda, durante o autoexame, verifique se há indício de alguns dos sintomas:

  • Presença de caroço (nódulo) fixo, endurecido e geralmente indolor;
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com uma casca de laranja;
  • Alterações no bico do peito (mamilo);
  • Pequenos nódulos localizados embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço.

Durante a observação avalie o tamanho, forma e cor das mamas, assim como inchaços, abaixamentos, saliências ou rugosidades. Caso perceba alterações nas mamas, procure o médico ginecologista para que ele consiga lhe orientar.

A mamografia é um exame de imagem, conhecida como um Raio-X das mamas, é um exame confiável para detecção precoce do câncer de mama. O raio-X pode detectar alterações na mama, como nódulos, cistos e microcalcificações. Para as mulheres entre 50 e 69 anos, a indicação do Ministério da Saúde é que a mamografia de rastreamento seja realizada a cada dois anos, o Sistema Único de Saúde (SUS) garante o exame de mamografia gratuitamente para todas as mulheres no Brasil em todas as faixas etárias e é através deste exame que se identifica o câncer antes do surgimento dos sintomas.

É fundamental que, além do autoexame, as mulheres independentemente da idade façam seus exames de rotina. Só ela pode detectar precocemente um nódulo pequeno e aumentar muito as chances de cura, não deixe de realizar o autoexame e procure seu médico ginecologista em caso de qualquer suspeita.



linhapopular sim




Logo branca.png

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina