FRIEIRAS, MICOSES E COCEIRAS FREQUENTES? A causa pode estar na ALIMENTAÇÃO!

05 Outubro 2018 09:05:00


Comer é uma necessidade básica de todos nós, sem dúvida, e também, uma das principais fontes de prazer a que nos permitimos. O que muitos não imaginam, no entanto, é o quanto aquilo que comemos é capaz de influenciar aquilo que sentimos. Alterações no pH sanguíneo podem ter reflexos diretos na disposição, imunidade e até no humor. 

Quando o pH normal do sangue(7,35 a 7,,45) altera, muita coisa muda. Ao ingerirmos numa dieta desequilibrada, grandes e frequentes quantidades de alimentos concentrados, como doces, massas, laticínios, refrigerantes e proteína animal, por exemplo, cujo efeito é acidificante, logo os danosos efeitos já se fazem notar.

Além do aumento do peso, a acidez, decorrente, dos fluídos orgânicos altera a imunidade, acentuando sintomas como a indisposição, fadiga, irritação, maior suscetibilidade a infecções, dores generalizadas ou volantes e ao aparecimento de enfermidades de origem fúngica.

Isto ocorre devido à disbiose provocada por este tipo de alimentação, que altera a microbiota intestinal. Isto favorece o desenvolvimento e proliferação de fungos no organismo, que se manifesta através de frieiras, micoses, infecções por cândida, coceiras e escamações principalmente no couro cabeludo e sobrancelhas.

Dentre os alimentos que favorecem a alcalinidade sanguínea, podemos citar as frutas, verduras, sementes oleaginosas, hortaliças, principalmente na forma crua, e os temperos, como orégano, tomilho, alecrim, pimenta, alho, cravo, canela...

A fim de neutralizar o efeito acidificante na dieta, provocado pelos alimentos mais cozidos e concentrados, é recomendável priorizar a ingestão de vegetais crus (verduras ou frutas) na proporção de 50% já no início da refeição.

A prevenção ou o tratamento eficaz de enfermidades causadas por fungos passa prioritariamente pela adequação nutricional e pela adoção de hábitos saudáveis de vida e alimentação.




linhapopular sim




Logo branca.png

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina