Saúde Mental

Medicações Psiquiátricas

Por Joyce de Almeida Cruz

Nós psicólogos não prescrevemos medicações porque não é competência da psicologia, porém diversos pacientes que recebemos em consultório fazem uso de psicotrópicos (medicações psiquiátricas), e que infelizmente não seguem o tratamento de forma correta. 

A experiência como psicóloga na saúde me permitiu observar como os pacientes entendem o uso das medicações, às vezes utilizando de forma inadequada, algumas vezes por falta de atenção ou por falta de informações. Também dentro da saúde tive a oportunidade de trabalhar com excelentes médicos psiquiatras que puderam me explicar o funcionamento de algumas dessas medicações e orientações de uso correto dentro dos tratamentos oferecidos. E desde então tento orientar o máximo de pessoas sobre como os tratamento com psicotrópicos é delicado e deve ser levado a sério.

Quando uma pessoa inicia o uso de medicações é porque as coisas estão bastante difíceis, no geral isso acontece porque ignorou os sintomas que apareceram (físicos e/ou psíquicos), e porque não cativava um estilo de vida que promovesse saúde mental.

Com o uso correto dessas medicações existe a redução dos sintomas e equilíbrio da parte química do funcionamento psíquico, é nesse momento que o paciente consegue se permitir estar mais presente no processo de psicoterapia e passa a compreender que é necessário uma mudança importante no estilo de vida.

Os pacientes não compreendem a seriedade que é fazer uso dessas medicações (psicotrópicos) e na maioria das vezes quando sentem alguma melhora abandonam os tratamentos SEM alta médica, quando isso acontece a probabilidade do reinicio dos sintomas se torna alta.

Atenção: o paciente que inicia o uso de medicação realmente está precisando desse apoio, é bastante comum que o paciente questione a demora pelo efeito e acabe interrompendo o uso, então seja persistente e não interrompa e em caso de dúvida procure o médico ou equipe de saúde. Outro fato bastante comum é que passando algum período de uso correto (exemplo: 3 meses de uso) a pessoa se sinta melhor e também interrompa a medicação; não interrompa o uso sem consentimento médico, esses tratamentos necessitam de um período de manutenção e a retirada (desmane) deve ser cuidadosa e com acompanhamento médico. A retirada brusca pode acarretar no reinicio ou piora dos sintomas.

É importante que você tire suas dúvidas durante a consulta, mas também é importante respeitar o profissional que lhe atende, pois ele se preparou para estar neste lugar.



linhapopular sim




Logo branca.png

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina