Segurança

'Para salvar uma vida, eu faria tudo de novo' diz PM que salvou mulher de enxame de abelhas

O fato aconteceu na última sexta-feira

Imagens retiradas do vídeo divulgado pela PM

Na tarde de sexta-feira (13), moradores foram atacados por um enxame de abelhas na Rua Ricardo Assi, no centro de Camboriú. Diante da situação, a Polícia Militar (PM) foi acionada, e socorreu uma mulher que foi a vítima mais atacada no acidente, tendo recebido cerca de 150 picadas. 

Um grupo de trabalhadores estava realizando a limpeza de um terreno, quando sem querer colidiram com uma colmeia de abelhas. A partir disto, as abelhas começaram a atacar moradores, pedestres, motociclistas e veículos que passavam pela rua. Inclusive algumas pessoas tiveram o carro invadido pelo enxame, e tiveram que abandonar os automóveis. Este foi o caso de uma moradora de 48 anos, que aparece no vídeo divulgado pela polícia militar no último domingo (15).

Com o ataque, uma viatura da PM , que estava próxima ao local, foi acionada pelos moradores para socorrer as vítimas. Ao chegarem, os policias observaram diversas pessoas assustadas com a situação, mas a que chamou a atenção foi a de uma moradora que se debatia e gritava por socorro desesperadamente, pois seu corpo estava coberto de abelhas.

Visto o desespero da vítima, o soldado Julio Evangelista saiu da viatura para ajudá-la, utilizando apenas o boné de cobertura e as próprias mãos para retirar as abelhas da mulher. "Eu abri a porta e pensei: 'não tem ferramenta, nada. Lembrei de pegar a cobertura (boné) e passar pelo rosto dela. Eu vesti a balaclava para me proteger um pouco. Era impossível ficar ali pela quantidade de abelhas, atacavam todo mundo", narra no vídeo o soldado.

Devido a quantidade de insetos, o policial encaminhou a mulher para um posto de gasolina que era próximo ao local, mas o enxame continuou perseguindo ambos. Para evitar a entrada das abelhas, funcionários e clientes do estabelecimento se fecharam dentro da conveniência. Com isso, o Sd Julio solicitou um extintor de incêndio para reduzir a quantidade de abelhas e assim, conduzir a mulher para dentro do estabelecimento, sem colocar mais nenhum cidadão em risco, até a chegada do Corpo de Bombeiros.

Policial afastou o enxame com um extintor de incêndio

Logo em seguida, outras guarnições foram acionadas e realizaram o isolamento do local. Com a chegada do Corpo de Bombeiros, um apicultor profissional foi chamado para auxiliar no controle do enxame. O profissional localizou a colmeia que tinha cerca de 40cm de largura por 80cm de altura, de abelhas africanizadas, popularmente conhecidas por "abelhas assassinas".

O soldado Júlio conta que no momento da ocorrência não pensou, apenas agiu, saindo do carro e indo em direção ao socorro da moça. "O juramento da polícia militar é 'segurança da comunidade mesmo com o risco da própria vida', eu apenas o pratiquei", conta o policial.

Após o ocorrido, ambos foram levados ao hospital, sendo contabilizados 150 picadas no corpo da mulher, e 30 picadas entre cabeça e mãos do policial militar. Os dois foram medicados e passam bem.

Ao relatar a história, o Soldado Júlio recorda que ao redor da cabeça da moradora havia uma nuvem negra de abelhas, e que a vítima queria desmaiar e que pensava que iria morrer. "A dor é passageira, mas a honra de saber que eu salvei a vida de uma pessoa e que também sobrevivi a uma situação dessa natureza é eterna, e jamais esquecerei", finaliza o policial.

Imagens retiradas do vídeo divulgado pela PM




linhapopular sim




Logo branca.png

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina