HQ's

30 de janeiro é o dia Nacional das Histórias em Quadrinhos

Mas há pouco a comemorar: consumo de HQs diminuiu em Camboriú

Também conhecidas como HQ's, as histórias em quadrinhos são um modelo de leitura que mistura elementos textuais e visuais, criando a sensação de sequenciamento das cenas.Esta data visa homenagear este gênero literário, um grande responsável por apresentar e incentivar as crianças ao mundo da literatura. 

No Brasil, as histórias em quadrinhos surgiram em meados do século XIX, mas apenas se popularizou com o lançamento de clássicos como "A Turma da Mônica", "O Menino Maluquinho", "A Turma do Pererê" e o "Tico-Tico", que é considerada a primeira revista em quadrinhos lançada no Brasil, em 11 de outubro de 1905.

Origem do Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos

A explicação para a escolha desta data está no fato de ter sido em 30 de janeiro de 1869 que foi publicada a primeira história de quadrinho brasileira: "As Aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte", autoria do cartunista Angelo Agostini.

A partir de 1984, ficou instituído, através da "Associação dos Quadrinistas e Cartunistas do Estado de São Paulo" (AQC-ESP), que todo o dia 30 de janeiro se comemoraria o Dia do Quadrinho Nacional, em homenagem ao trabalho de Agostini.

Em Camboriú, o número de leitores caiu muito, em comparação a outros anos. É o que garante Maria de Aguiar, proprietária da Banca Renate, localizada bem no centro da cidade (rua Coronel Benjamim Vieira, 57). "Tenho essa banca há 35 anos e a cada ano que passa o número de leitores de gibis diminuem", lamenta. Ela conta que ainda consegue vender revistas em quadrinhos devido ao pedido das escolas. "Algumas escolas pedem revistas infantis nas listas de material escolar. Isso ajuda muito, pois os pais levam geralmente revistinhas da Turma da Mônica.

Poucos títulos

Chama a atenção a pouca oferta de títulos. A maioria das revistas de HQ oferecidas na única banca de Camboriú são da Turma da Mônica. Segundo Maria, os quadrinhos da Disney, que ocupavam grande espaço nas bancas, estão cada vez cada vez mais escassos. Além dos gibis, alguns Mangás como Naruto e HQs de faroeste como Tex Willer podem ser encontrados nas prateleiras.

Maria acredita que a redução de leitores de revistas de histórias em quadrinhos se deve a Internet. "Depois da Internet, tudo mudou. Não foi só a venda de gibis que diminuiu, mas de várias outras publicações, como revistas e jornais", afirma. Ainda assim, ela ainda tem colecionadores que buscam revistas toda semana. "Ainda tem algumas pessoas que colecionam gibis e continuam a comprar. Mas esse público diminuiu bastante, metade dos que compravam sempre pararam de buscar às revistas".



linhapopular sim




Logo branca.png

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina