Incentivo à leitura

Bom Sucesso, uma novela que incentiva à leitura

Clássicos da literatura brasileira são mencionados na novela

por Luiz Antonio Tecau

Uma novela que incentiva o hábito da leitura, através de personagens apaixonados pelo universo mágico da literatura. Assim é Bom Sucesso, escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm e exibida na faixa das sete da noite, na Rede Globo. A trama conta a história de Alberto Prado Monteiro, um empresário do ramo livreiro, interpretado por Antônio Fagundes. Alberto descobre que está doente e tem poucos meses de vida. Além disso, sua editora atravessa um período marcado por dificuldades financeiras. O empresário é um apaixonado por livros, que acaba encontrando uma pessoa que tem a mesma devoção pela literatura, mas devido a sua classe social não teve as mesmas condições de adquirir bons livros: Paloma, interpretada por Grazi Massafera.A partir dessa premissa, a literatura é abordada várias vezes nos diálogos das personagens, com o autor indicando e emprestando vários livros para a mocinha, que devora os livros em suas viagens de trem, rumo ao trabalho. Títulos como Dom Casmurro (Machado de Assis), O Primo Basílio (Eça de Queiroz) e Cyrano de Bergerac (Edmond Rostand) já foram citados, através das indicações de Alberto a Paloma.


Elenco de Bom Sucesso na cenário da Editora Prado Monteiro



Gabriella Reis, uma estudante de Pedagogia, é apaixonada por livros e novelas. Ela revela que vê todas, "desde o Vale a Pena Ver de Novo (que reprisa novelas de sucesso) até a Maria da Paz (Dona do Pedaço)", confessa, entre risos. Já o hábito da leitura vem da infância, onde frequentava a biblioteca volante, na cidade de Balneário Camboriú. Gabriella gostou do enfoque literário em Bom Sucesso. A estudante entende que mais pessoas tomem o gosto pela leitura através da novela: " Acho que muita gente pode vir a se encantar com isso, até porque é uma novela que está despertando esse hábito. Porque querendo ou não, hoje em dia, são poucas as pessoas que ainda leem. E por falar nisso, ele ensina a neta dele a ter esse amor por livros, né? Acho que influencia muito nos pequenos também". Quanto a febre de biografias e livros de celebridades, muitas vindas da internet, ela vê como um fato positivo: "Eu trabalho com crianças, e eles são fascinados pelo Lucas Neto, o YouTuber, né? Acho que acaba influenciando as crianças a comprar o livro pelo hábito de sempre assistir seus vídeos, e ali, quem sabe despertar a curiosidade sobre a literatura". 

Jacqueline Souza é escritora e professora de Língua Portuguesa. Ela aprova a iniciativa da novela. "Como escritora e professora de LP, vejo a iniciativa muita válida, porque os veículos televisivos são grandes meios de comunicação em massa, principalmente quando se trata de um canal que possui índices altíssimos de audiência. Penso que precisávamos desse incentivo e ainda falar de clássicos auxilia muito em aguçar a curiosidade daqueles que pouco ou nada leem. Na novela, as personagens Paloma e Alberto, de classes sociais diferentes, discorrem sobre algumas personagens da literatura, fazendo com que a protagonista, que muitas vezes se identifica com elas, queira emprestados os livros para saber mais sobre cada uma delas, e devora-os no transporte público. Isso pode instigar no telespectador o interesse em conhecer também essas obras, vendo-a, uma pessoa muito simples, ler tão profundamente e com tanta admiração", comenta. 

Além do enfoque literário, Bom Sucesso também mostra os bastidores do mundo livreiro, através das dificuldades financeiras que a editora Prado Monteiro atravessa. Para sair do vermelho, a editora até então só publicava livros de autores renomados e de qualidade literária, cria um selo para publicar livros de celebridades, os atuais campeões de vendas. Alexandre Esótico, gerente da Livrarias Catarinense de Balneário Camboriú, gostou muito dessa abordagem: "eu acho bastante interessante, pois depois que se descobre o funcionamento desse mercado (editorial), isso instiga a curiosidade do espectador e a novela mostra bem o funcionamento de uma editora: o dia a dia, a diagramação, a edição, além de mostrar como funciona também o lado editorial, as feiras, a Bienal. Uma novela atinge todas as classes e mostrar os bastidores do mundo livreiro é bastante interessante". Alexandre entende que a novela veio no momento certo, já que o mercado de livros enfrenta uma crise: "Hoje existe uma crise, que partiu de algumas redes de livrarias que tiveram problemas financeiros, e isso acaba refletindo diretamente nas editoras, que hoje enfrentam muitas dificuldades, como é mostrado na novela". 


Alexandre Esótico, gerente da Livrarias Catarinense, de Balneário Camboriú



Apesar da exposição dos clássicos através da novela, a procura por esses títulos não aumentou na livraria onde Alexandre trabalha. "Conversei com os vendedores e eles não perceberam uma procura específica dos títulos que foram citados na novela", revela o gerente. Já na biblioteca pública de Camboriú, onde os livros são emprestados a comunidade, os clássicos da literatura nacional são bastante procurados. Segundo Jane Maria Folda Galeotto, funcionária encarregada da biblioteca municipal, títulos como Dom Casmurro (Eça de Queiroz),e o Cortiço (Aluísio Azevedo) são muito procurados, entre vários outros. "Emprestamos de 20 a 30 títulos só de autores clássicos da literatura brasileiro por mês", comenta. Jane não sabe dizer se a procura teve influência da novela. "Ninguém pediu um livro dizendo que viu recomendação na TV, mas a procura dos clássicos é constante, todos os meses tem gente procurando", finaliza a bibliotecária. 


Acervo da Biblioteca Municipal de Camboriú






linhapopular sim




Logo branca.png

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina